Blog Vitrine Mulher
Blog 21/01/2012Categoria(s):   Comportamento e reflexões  

Entre a Davanira de 1983 e Luiza de 2012!

Esta semana virou a febre do mote..Luiza está no Canadá. E eu voando sem entender nada. Comecei a ver a movimentação no facebook e pensei que era alguma amiga de alguém que estava viajando, até que recebi o vídeo e entendi. É o que chamamos a jogada de marketing que deu certo e superou o objetivo. Neste caso especifico tomou forma própria e caiu literalmente na boca do povo.

Depois os vários comentários na mídia, chegando inclusive a ser mencionado em telejornal colocando a questão que os problemas dos brasileiros deveriam estar resolvidos, em função da atenção dada ao case: Luiza está no Canadá!

Concordo sim com nosso jornalista. Profissional sério e eficiente. Mas não quero neste texto questionar o nível de intelectualidade do nosso povo, memória, eficácia, competência, nem outras prioridades discutidas e colocadas em pauta em tantas rodas e que devem sim continuar sendo expostas para dissecarmos os longos caminhos que ainda temos que percorrer para maturação e evolução da nossa sociedade.

O que refleti esta semana é a velocidade da informação de hoje, como uma bola de neve, que vem descendo e se torna o foco da grande atenção. A evolução da mídia, da televisão para as redes sociais e como rapidamente hoje explode uma questão através do instrumento denominado Internet.

Lembrei do mês de fevereiro de 1982. Trabalhava em um hotel durante o dia e decidi estender meu horário para fazer um trabalho extra à noite. Não tínhamos internet, celular, ou outro recurso de comunicação em tempo real, a não se nossas próprias VIDAS. Começava minha jornada as 08h e terminava às 23h, incluindo sábado e domingo. Chegava em casa exausta para uma ducha rápida e cama. Acordava e iniciava o ciclo automático de uma jornada estafante. Televisão e jornal esqueçam. Falar com os amigos pelo único meio de comunicação possível que era o telefone convencional, nem pensar. Não tinha tempo. No ultimo sábado do mês então de folga, primeiro dia de carnaval dormi, melhor hibernei. Domingo revigorada sigo para as ladeiras de Olinda porque como falamos hoje...”Não sou obrigada !!! rsrsr ” e fui curtir meus três santos dias de carnaval como uma boa quase pernambucana. Na primeira ladeira começo a ouvir os gritos...Davanira, é ela!! E eu voando pergunto: Quem é Davanira gente? Olharam para mim com cara de espanto e dizem: Em que planeta você estava? Respondo: Oxente, Planeta Terra, por quê?? Para encurtar a historia, durante todo o mês de fevereiro, que eu estava literalmente fora de órbita e do mundo dos jornais e telejornais, tinha passado uma propaganda das Casas José Araujo com a personagem Davanira na janela. Conclusão, o mote pegou, Davanira ficou famosa e no carnaval de Olinda só deu ela.

Porque estou trazendo esta questão. Porque fiquei pensando na tal história da Luiza e me lembrei da Davanira. Na época não tinha rede social, mas tinha televisão. Na irreverência do nosso povo, uma história é transformada, o foco principal se perde e se torna mutável. O conteúdo passa a pertencer ao movimento do coletivo, seja para rir, seja para preencher algo que está vazio, seja o que for.

Falta de assunto, falta de conteúdo, o não querer pensar, pois refletir exige crescer? Não sei e seja o que for olhando apenas pelo lado lúdico, a imaginação do nosso povo, a transformação do dito pelo popular, é cômico sim e pelo menos serve para trabalharmos os músculos da nossa face e dar umas boas gargalhadas.

Separar os momentos é importante: se desejo estabelecer um papo inteligente vou sentar com quem gosta de elaborar. Para rir vou sentar com quem conta piada ou com aquela pessoa leve que conduz a vida na flauta. E assim vamos traçando nosso cotidiano entre trabalho, estudo, leituras, objetivos, planos, reflexões e se possível com muito riso, pois faz muito bem a saúde e convenhamos: conversar com gente chata é chato!

E boa sorte para as Luizas, Marias, Anas, Robertas, Valerias, Claudias, Camilas, Rosanes, Andreas, Patrícias, Cristinas, Lucianas, Rosileis, Sheylas, Davaniras..., e para todas as maravilhosas mulheres deste planeta que o caminho a ser percorrido seja de luz e proteção.

E para finalizar entre a Davanira de 1983 e Luiza de 2012, o que existe é a evolução da comunicação, porque o nosso povo continua o mesmo, irreverente, engraçado e adorando sentar numa mesa de bar e jogar conversa fora.

Isso é bom???

Enquanto isso o Brasil ...Vejam bem, isso já é para outra postagem.

beijos

Vitrine Mulher by Luciana Corrêa

Postado por Luciana Corrêa      3 pessoas comentaram essa postagem

3 comentários

Comente essa postagem!

Todos os campos são obrigatórios
Postagens Anteriores


Factos - Promoção, Marketing e Eventos Ltda - C.N.P.J. : 02.924.796/0001-02
Rua Ernesto de Paula Santos, 1368 Salas 603/604, Boa Viagem , Recife-PE CEP: 51.021-330
Vitrine Mulher - © Copyright e Produção: Luciana Corrêa Ι Todos os direitos reservados

Ser Digital